A diferença entre adequado e excelente (e como atingir o segundo)

Era assim na sua escola, não era?

Em muitos contextos da vida adulta — na vida profissional, especialmente — continua sendo.

A premissa por trás desse tipo de lógica avaliativa é que existe um padrão de performance considerado “excelente” e que esse padrão é igual para todos, não importando se você é um macaco, um pinguim ou um elefante.

Seja quem for, “escalar aquela árvore” é o que fará você tirar um 10. Ponto.

(Esse tipo de pensamento sobre a excelência também atende pelos nomes de “A Régua” ou “O Molde”)

Mas aí você pode estar pensando: tem muitas coisas na vida que realmente possuem um padrão de excelência homogêneo.

No basquete, por exemplo, quando um jogador sofre uma falta ao arremessar, seu time tem direito a fazer arremessos livres. Se a bola entrou na cesta, é ponto. A regra é clara.

Rick Barry, ex-jogador de basquete norte-americano, tinha um jeito incomum de fazer arremessos livres. Ele ajudou a popularizar o “arremesso lavadeira”, em que o jogador lança a bola de baixo pra cima.

No vídeo acima, você pode ver o filho de Rick, Canyon Barry, fazendo esse tipo de arremesso. Aprendeu com o pai, certamente.

Ou seja: apesar dos Moldes, ainda assim é possível encontrar seu próprio jeito de entrar dentro deles.

(Mesmo sendo ridicularizado pelo seu método inusitado, Rick Barry foi o terceiro maior pontuador em arremessos livres da história da NBA)

Mas nem tudo na vida é igual a um jogo de basquete. Em um grande número de situações, os parâmetros que definem o que é considerado “excelente” não são claros (e nem poderiam ser).

Até porque a excelência não é estática, e sim contextual. Novas Réguas e novos Moldes são criados o tempo todo, ao passo que os velhos vão sendo recriados.

Como se não bastasse, cada pessoa enxerga a excelência de maneira diferente, com seus próprios vieses e a partir do caldo cultural em que está imerso.

Tudo que você irá conseguir caso tente desesperadamente se adequar a um padrão de excelência uniforme é um desempenho… adequado.

Como fazer, então?

“A excelência parece estar indissolúvel e maravilhosamente entrelaçada com quem a demonstra” (Marcus Buckingham e Ashley Goodall)

Sua excelência só pode brotar dos seus talentos únicos, das suas curiosidades profundas, daquilo que você realmente ama fazer e ser.

A excelência é idiossincrática. E existe uma explicação neurológica pra isso.

Novas sinapses costumam ocorrer em áreas já desenvolvidas do cérebro. Pense em uma árvore: os novos galhos crescem em cima dos caules mais antigos. É a mesma coisa na aprendizagem humana.

É óbvio que é possível eleger princípios que orientam a excelência, mas esses princípios apenas informam (em vez de definir) o que é considerado excelente.

Um exemplo disso ocorre com os tutores do MoL, que são pessoas da minha equipe responsáveis por acompanhar as jornadas de aprendizado de cada participante no programa, potencializando sua autonomia.

Em conversas com os tutores, eu sempre digo pra eles “não cercarem o frango”, que é uma forma engraçada de orientá-los a não ficar toda hora oferecendo ajuda e sugerindo caminhos para os aprendizes.

Entendo que o princípio de “não cercar o frango” é uma condição para que o participante se perceba como um aprendiz autodirigido: saber que tem alguém ali do lado dele, mas ao mesmo tempo se sentindo realmente livre para explorar suas próprias decisões.

Ainda assim, meu desejo é que cada tutor exerça o papel de tutoria do seu jeito, isto é, que cada um busque seu jeito único e excelente de fazer isso, o qual só pode ser encontrado através da manifestação das preciosidades — humor, amorosidade, serenidade, sabedoria, olhar poético, escuta, frescor — de cada um.

Entende?

“Aponte as falhas gramaticais em um texto, peça ao escritor para corrigir as falhas e, embora você até possa obter uma redação com boa gramática, você não obterá um texto que transporta o leitor”. (Marcus Buckingham e Ashley Goodall)

É por isso que a educação nunca deveria ser um sistema cujo objetivo é corrigir falhas. Isso só nos fará atingir um desempenho “adequado”, além de nos tornar eternos reféns do Molde.

A educação deveria impulsionar as pessoas a construírem, cada uma, a sua própria forma de ser excelente.

Usei de referência para o artigo acima um dos melhores textos sobre aprendizado que já li:

The Feedback Fallacy. Marcus Buckingham e Ashley Goodall. Harvard Business Review. Disponível em: https://hbr.org/2019/03/the-feedback-fallacy.

Já recomendei aqui, mas vou continuar recomendando até você ler haha.

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com