A maldição do “tirador de pedidos” — e como evitá-la

Áreas de treinamento e desenvolvimento que se comportam como “tiradoras de pedido” contribuem para manter uma cultura de aprendizagem heterodirigida na organização.

Eu vou lá no RH e peço pra contratarem um curso para a minha equipe. Solicito um treinamento, uma plataforma, uma consultoria, um palestrante, um guru. E o T&D obedece prontamente, às vezes demorando meses para concluir o processo — quando ocorre a entrega, a área demandante já está com a cabeça em outro lugar.

Isso é pura educação bancária, como já nos alertava Paulo Freire. A educação como uma transação, um serviço de “depósito” de conhecimentos, algo como “Você Vem Aqui E Com A Sua Varinha Mágica Resolve Todos Os Meus Problemas”.

O RH precisa ser catalisador de uma cultura de aprendizagem autodirigida e ao longo da vida na empresa. Em cada área de negócio, podem existir pessoas embaixadoras dessa cultura. Essas pessoas têm a compreensão profunda de que nada substitui um real percurso de descoberta. E elas sabem utilizar as arquiteturas de aprendizado autodirigido para que isso aconteça.

O papel do T&D? Conectar e apoiar essas pessoas. Liderar a transformação da cultura. E, de vez em quando, tirar um pedido.

Obs.: já está no Youtube a palestra “Aprendizagem que Cura” que dei ontem na ABRH-ES. Link aqui.

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com