Clubhouse e a armadilha do anel interno

É provável que você já tenha ouvido falar do Clubhouse, o “Orkut só de áudio” que chegou recentemente no Brasil.

Nos EUA, depois que o Elon Musk entrou, vários influenciadores seguiram seu rastro e a coisa começou a exponencializar.

Mas isso você já deve saber.

O que a febre do Clubhouse me fez pensar é como nós temos uma ansiedade absurda para pertencer a novas redes “exclusivas”.

Para entrar no Clubhouse, você precisa de um convite de alguém que já entrou. Cada usuário tem apenas dois convites.

E é claro que isso não é por acaso.

É o gatilho da escassez sendo usado para gerar FOBLO, ou o Medo de Estar Sendo Deixado para Trás.

C. S Lewis, autor de As Crônicas de Nárnia e teólogo irlandês, cunhou um conceito interessante neste sentido: a armadilha do anel interno.

Ele afirma que sempre haverá grupos mais exclusivos e descolados nos quais desejaremos entrar.

Ontem foi o Instagram, hoje é o Clubhouse e amanhã nem sabemos.

Esse desejo pode gerar uma infelicidade contínua. Por isso é uma armadilha.

Como quebrar esse ciclo? Segundo Lewis, faça algo que você gosta frequentemente e convide pessoas para se juntarem a você.

Ou seja: crie seu próprio anel interno.

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com