Designer da própria aprendizagem

Entediante > Confortável > Interessante > Desafiador > Assustador. Eu já comentei sobre essa escala aqui antes. Quanto mais próximo dos extremos do tédio e do medo, menos aprendemos. O ideal para o aprendizado é um mix de interesse e desafio em equilíbrio dinâmico.

Também já falei aqui sobre o CEP+R (Conteúdos, Experiências, Pessoas e Redes), uma compilação das fontes de aprendizagem disponíveis que desenvolvi com o Conrado Schlochauer. O CEP+R sintetiza os caminhos pelos quais é possível aprender qualquer coisa.

O mais legal agora é que comecei a enxergar relações entre essas duas coisas.

O E de Experiências, por exemplo, pode ser assustador (imagine ir a um encontro de conversação em inglês com pouco conhecimento da língua). Mas você pode usar o C, o P e o R como combustíveis de coragem nesse caso (ler sobre expressões básicas em inglês, chamar um amigo para ir com você e buscar um grupo de conversação livre de julgamentos são os respectivos exemplos de C, P e R).

Na mesma linha, o C de Conteúdos pode ser entendiante (aulas expositivas são a maior prova disso). Que tal, então, usar o E, o P e o R para sair do tédio?

Dessa forma, nos tornamos designers do nosso próprio processo de aprendizagem.

Saiba mais sobre mim em www.alexbretas.com.

--

--

--

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Alex Bretas

Alex Bretas

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com

More from Medium

Biomimicry and Design — Chapter 1

Look back: 14 years of the greeting card design

Designers are improvisors

Sunk Cost Fallacy