O Futuro das Relações: como entender e lidar com o ciúme

As raízes do ciúme

Amor infinito

  • O ciúme é uma luz de alerta interior. É importante aprender a senti-lo e a reconhecê-lo, inclusive os seus reflexos e sensações no corpo. Mais do que um problema a ser consertado no outro ou na relação, o ciúme aponta para necessidades que precisam ser cuidadas dentro de si mesmo — e os parceiros(a)s também podem ajudar a cuidar delas, caso sejam convidados e aceitem o convite para tal. Uma pergunta interessante para explorar as necessidades individuais relacionadas ao ciúme é: “O que está por trás do fato de eu me sentir assim e que não tem a ver com as ações ou inações do outro?” Outra pergunta útil é: “Quais histórias eu estou contando para mim mesmo nessa situação e quais outras histórias seriam plausíveis?”
  • O ciúme é uma oportunidade de conexão. Em primeiro lugar, o ciúme nos explicita algo sobre nós mesmos, e para descobrirmos verdadeiramente esse algo, precisamos estar abertos para investigar, sem querer chegar a conclusões rápido demais. Dessa forma, ele é uma fonte de conexão interior. Além disso, o ciúme é uma forma de se conectar com o outro, especialmente quando há uma conversa empática e vulnerável entre os parceiro(a)s sobre o assunto. Em vez de vitimismo, julgamentos e acusações, a maneira mais promissora de iniciar uma conversa sobre ciúme é: “Posso compartilhar com você o que eu estou sentindo e por que isso é importante pra mim?” Quando todos se sentem vistos, escutados e legitimados, a mágica acontece.
  • O ciúme abre espaço para pedidos honestos. Às vezes o ciúme pode ser curado com a própria pessoa aprendendo a recriar suas estratégias de cuidado de si. Por outro lado, às vezes é importante fazer pedidos específicos ao outro: “Será que você poderia passar as noites de quinta-feira comigo?” “Eu gostaria que você me apreciasse mais, estou sentindo falta disso” “Você poderia propor e já começar a planejar nossa próxima viagem?” “Estou constantemente me sentindo inseguro na nossa relação. Você topa pensar comigo em formas para que eu consiga sentir mais atenção, cuidado e responsividade?” Pode parecer assustador no começo, mas depois a gente fica se perguntando porque é que nunca aprendemos a fazer pedidos claros antes.
  • Embora um não seja o oposto do outro, o ciúme pode nos levar à compersão. É possível encarar o surgimento do ciúme como uma pista para intencionarmos a compersão, ainda que ela possa ser experimentada mais no nível da razão do que da emoção no início. Nossos sentimentos influenciam nossos pensamentos, mas, com o tempo, nossos pensamentos, ideais, valores e intenções de vida também influenciam nossos sentimentos. O ciúme, como vimos, é uma reação ensaiada culturalmente — em alguns casos, quase um automatismo emocional –, mas isso não impede que ele comece a abrir espaço para uma investigação baseada na curiosidade: “Isso está acontecendo. O que poderia significar? Como eu escolho ver? Como eu escolho encarar?”

Referências

--

--

--

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Alex Bretas

Alex Bretas

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com

More from Medium

The Internet of Things: Evolving how Humans Interact with Technology

First Time Manager’s Reading List

7th Day: Who was Stephen Hawking?

“The Secret History” by Donna Tartt book review