Querida, não sei se entendi a primeira parte do seu argumento. Me conta mais sobre o que você pensou?

Pra mim, o fato de as famílias com condição econômica menos favorável precisarem trabalhar para sobreviver é reflexo justamente de um desequilíbrio de privilégio. Famílias que conseguem ter mais tempo para fazer todas essas coisas que você disse, ao meu ver, são privilegiadas.

Quanto à questão dos pais que pagam poderem ter mais voz nas escolas de seus filhos, pode até ser, mas escolas públicas também têm meios de suscitar esses espaços de escuta. Além disso, vejo que existe um risco de que a relação entre pais e escola privada torne-se distorcida — uma escuta teimosa, apelativa, manca — por conta do caráter de consumo presente no ato de se pagar por um serviço.

--

--

--

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Alex Bretas

Alex Bretas

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com

More from Medium

INTRODUCTION

Increase Of Lebanese Students In The UAE Post Beirut Blast

Everyday Romance

The Pink Beach Poem