Sala de aula: um lugar cheio de pessoas ausentes

Eu fico impressionado com a quantidade de tempo, dinheiro e energia desperdiçados no modelo de sala de aula tradicional.

Boa parte das pessoas não está realmente ali. Elas estão em outros lugares, pensando em outras coisas, desejando secretamente viver, amar, rir, relaxar, contribuir, criar, pertencer.

Salas de aula com metodologias ativas, facilitação, jogos e projetos capitaneados pelo professor podem até “ativar” alguns dos alunos. Ainda assim, não são capazes de ativar a todos.

Para obter a verdadeira presença, é preciso que adultos e crianças possam trazer o que está presente dentro de si: seus interesses, suas curiosidades, suas paixões, seus propósitos.

É a partir desses presentes divinos que cada um de nós poderá criar suas jornadas mais potentes.

Talvez eles não brotem instantaneamente depois de anos e anos de salas cheias de pessoas ausentes. É preciso algum tempo e, sobretudo, confiança para a anestesia ir embora.

Obs.: a expressão “sala cheia de pessoas ausentes” é da Marcelle Xavier. (obrigado por me ensinar tanto!)

--

--

--

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Alex Bretas

Alex Bretas

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com

More from Medium

Joel Coen’s The Tragedy of Macbeth is jaw-dropping in IMAX — Pizza FM

Faith=Coherence=Integrity=Generosity

Divergence

Dual Sport athlete leads the Bulldogs to the National Championship!