Tropeçando na verdade: como criar espaços poderosos de insight a partir de uma técnica simples e inusitada

Uma comunidade pobre com vários pontos de defecação pública (vulgo cocô a céu aberto).

As pessoas já percebem que isso acontece, mas quase nada é feito. Várias ONGs já tentaram instalar vasos sanitários e banheiros modernos por lá, mas as pessoas simplesmente não os utilizam.

Até que um facilitador chega na comunidade. E começa a caminhar pelas ruas de terra fazendo perguntas aos moradores:

“Onde as pessoas fazem cocô?” “De quem é esse cocô?” “Alguém fez cocô aqui nesse lugar hoje?” “Sempre têm mosquitos pousando no cocô?”

A caminhada atrai cada vez mais moradores. Os olhares são de curiosidade e tensão.

O grupo chega em uma praça e, a partir das orientações do facilitador, desenha um mapa improvisado no chão para evidenciar todos os locais abertos do território em que as pessoas defecam. E são muitos.

O facilitador, então, pede a alguém um copo de água filtrada e pergunta às pessoas se elas o beberiam. Todos respondem que sim.

Em seguida, ele puxa um fio de cabelo dele mesmo e o mergulha em uma pilha de cocô. Logo depois, o facilitador coloca o cabelo contaminado dentro do copo de água e o oferece novamente às pessoas. Ninguém quer tomá-lo.

- Quantas pernas um mosquito tem?

- Seis.

- Vocês acham que mosquitos absorvem mais ou menos cocô que o meu cabelo?

- Mais.

- E vocês costumam ver mosquitos na comida que vocês comem?

- Sim.

- E também nas pilhas de cocô?

- Sim.

- Então o que vocês estão comendo?

SILÊNCIO. As pessoas estão agoniadas. Olhando umas para as outras, incrédulas.

Alguns segundos depois, alguém pergunta ao facilitador o que deve ser feito para acabar de uma vez por todas com o problema do cocô a céu aberto.

Ele não dá a resposta. “Vocês precisam descobrir por conta própria”.

A busca por soluções começa imediatamente.

A história acima é a base da abordagem CLTS ( Community-Led Total Sanitation), criada pelo indiano Kamal Kar para envolver comunidades na resolução do desafio da defecação pública.

No livro O Poder dos Momentos, os autores Chip e Dan Heath contam esse caso para ilustrar um poderoso caminho para se gerar insight: “tropeçar na verdade”.

Tropeçar na verdade é um tipo de insight que causa uma pancada emocional. Quando você tem uma constatação repentina — e que você sente nas suas vísceras que faz sentido -, você tropeçou na verdade.

Com o seu método, Kamal Kar reuniu as condições perfeitas para acelerar um processo em que toda a comunidade tropeça na verdade:

(1) um insight claro + (2) comprimido no tempo (minutos, horas ou dias no máximo) + (3) descoberto pelas próprias pessoas.

O foco não deve ser na solução, e sim na explicitação (e intensificação) do desafio.

A partir daí, as pessoas expressam um extraordinário desejo de agir.

Essa técnica tem tudo a ver com o trabalho dos Arquitetos de Aprendizagem Autodirigida.

É um jeito potente de engajar um grupo na descoberta dos caminhos de aprendizagem e de ação que realmente fazem sentido para si.

Quais experiências de “tropeço” na verdade você poderia criar?

Baixe os meus 9 livros gratuitos, assista na íntegra o documentário AUTODIREÇÃO — A Revolução no Aprendizado e saiba mais sobre as minhas palestras para empresas em www.alexbretas.com.

--

--

--

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Alex Bretas

Alex Bretas

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com

More from Medium

Where do 2022 NFL QB Prospects Rank in Comparison to all QBs drafted from 2000 to Present based on…

Race Report — COTA: Ross Chastain Gets First Career Cup Victory

Quik․com Marketplace Launches Minting of NFT Domain Names

The vision of power between Tolkien’s LOTR and Plato