Um poema para nos lembrar da autonomia

Não cobiço nem disputo os teus olhos

não estou sequer à espera que me deixes ver através de teus olhos

nem sei tampouco se quero ver o que veem e do modo como veem os teus olhos

Nada do que possas ver me levará a ver e pensar contigo

se eu não for capaz de aprender a ver pelos meus olhos e a pensar comigo

Não me digas como se caminha e por onde é o caminho

deixa-me simplesmente acompanhar-te quando eu quiser

Se o caminho dos teus passos estiver iluminado pela mais cintilante das estrelas que espreitam as noites e os dias

mesmo que tu me percas e eu te perca

algures na caminhada certamente nos reencontraremos.

Não me expliques como deverei ser

quando um dia as circunstâncias quiserem que eu me encontre

no espaço e no tempo de condições que tu entendes e dominas

Semeia-te como és e oferece-te simplesmente à colheita de todas as horas.

Não me prendas as mãos

não faça delas instrumento dócil de inspirações que ainda não vivi.

Deixa-me arriscar o molde talvez incerto

deixa-me arriscar o barro talvez impróprio

na oficina onde ganham forma e paixão todos os sonhos que antecipam o futuro

E não me obrigues a ler os livros que eu ainda não adivinhei

nem queiras que eu saiba o que ainda não sou capaz de interrogar

Protege-me das incursões obrigatórias que sufocam o prazer da descoberta

e com o silêncio (intimamente sábio) das tuas palavras e dos teus gestos

ajuda-me serenamente a ler e a escrever a minha própria vida

(Ademar Ferreira dos Santos)

Agradeço à Su Verri por compartilhar.

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com

TEDx Speaker | Autor | Facilitador de comunidades de aprendizagem autodirigida — www.alexbretas.com